1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

O Perigo de ser pessoa idosa, indígena, mulher e jovem no Brasil.

POST CEA 17AGO18

Envelhecer é um privilégio. Somente envelhece quem está viva. Essa obviedade precisa ser dita e redita até que cada qual tenha consciência de que esse privilégio implica uma responsabilidade singular de ser vez e voz para uma das maiores experiências da vida: o envelhecimento.

Para a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, o mês de agosto é tempo especial para afirmarmos a valorização das pessoas idosas. Sobretudo quando vivemos tempos nos quais envelhecer se tornou perigoso. A dura realidade do aumento da violência contra pessoas idosas nos deve alarmar e nos implicar diretamente, como pequena parcela da Igreja de Jesus Cristo.

Segundo o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, “Em 2017, o Ministério dos Direitos Humanos contabilizou mais de 33 mil denúncias de abusos e agressões contra idosos.”

A sociedade brasileira tem vivido um processo célere de profundo descaso e desrespeito às pessoas idosas, ao ponto de necessitar do Estatuto do Idoso , regramento legal que assegure os direitos das pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos.

No dia 07 de agosto o Brasil celebrou doze anos da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006). E nós da IEAB, através do Serviço Anglicano de Diaconia e Desenvolvimento (SADD), celebramos cinco anos da publicação da Cartilha de Prevenção e Enfrentamento à Violência contra as Mulheres , que tem sido importante instrumento de sensibilização para que aprendamos a METER A COLHER NA BRIGA DE HOMEM E MULHER.

No dia 09 de agosto, a ONU celebrou o Dia Internacional dos Povos Indígenas. Para muitos povos indígenas as pessoas idosas cumprem o importante papel social de assegurar, através da oralidade, a transmissão dos costumes, dos rituais, dos mitos e da sabedoria ancestral herdada que passa a ser herança para as gerações futuras.

Temos aí um desafio e tanto: voltarmos nossa atenção às populações indígenas que têm sido dizimadas ao longo dos séculos e, mais ainda recorrentemente, violadas em seu direito mais fundamental: o direito à vida. Fortaleçamos nossas pastorais indigenistas em nossas dioceses.

Também em agosto, no dia 12, a mesma ONU celebrou o Dia Internacional da Juventude. Essa data nos deve remeter a fatos cotidianos que denunciam que ser jovem é também fazer parte do grande grupo de risco. No Brasil, vemos nessa categoria a quarta categoria de vulnerabilidade à violência. E a vulnerabilidade se intensifica quando a ela agregamos as categorias “desigualdade social” e “raça”, que intensificam a violência contra a juventude negra, cujo genocídio tem acontecido a olhos nus nas muitas cidades brasileiras.

Se jovem mulher negra, a dura realidade gritam feminicídio e morte materna de maneira recorrente e assustadora. Vemos na interseccionalidade geração-gênero-raça-classe a intensificação das discriminações e das violências que levam à morte.

Se ser pessoa idosa, indígena, mulher, jovem, jovem negro e jovem mulher negra no Brasil é correr riscos diariamente de ser mais um número na estatístico das vítimas dessas violências; nós, enquanto Igreja, não podemos banalizar e menos ainda aceitar essa realidade; pois o Evangelho de Jesus nos cobra que assumamos nossa parte. E como cristãs anglicanas e cristãos anglicanos, devemos enegrecer e corporificar em nossas práticas, uma das 5 marcas da missão, “enfrentamento as injustiças, a opressão e a violência”, à medida que:

  • Intensificarmos nossas ações voltadas ao enfrentamento dessas realidades (onde elas existem);
  • Criarmos pastorais específicas nas dioceses e distrito missionário em nossa IEAB (onde não existem);
  • Somarmo-nos às ações realizadas por outras e outros agentes sociais (de outras igrejas e/ou tradições religiosas, ou ainda organizações sociais não religiosas e organismos governamentais);

Revda. Dra. Lilian Conceição da Silva

_______________

Ver mais em: <https://nacoesunidas.org/fundo-de-populacao-da-onu-alerta-para-violencia-contra-idosos-no-brasil/>.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.741.htm>.
Disponível em: <http://www.ieab.org.br/sad/biblioteca/cartilha-de-preven%C3%A7%C3%A3o-e-enfrentamento-viol%C3%AAncia-dom%C3%A9stica-contra-mulheres>.
Ver Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência. Disponível em: <file:///C:/Users/Positivo/Downloads/SNJ_indicedevulnerabilidade_2017.pdf>.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Novidades CEA

Reflexões Nº8 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº8 – Centro de Estudos Anglicanos

ões da Conferência de Lambeth 199

Read More...

Livro: Herdeiros da Fé…

Livro: Herdeiros da Fé

Herdeiros da Fé Livro do Professor…

Leia Mais > Livro:...

Reflexões Nº9 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº9 – Centro de Estudos Anglicanos

de Virgínia(Reátório da Comiss

Read More...

Reflexões Nº6 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº6 – Centro de Estudos Anglicanos

ia Anglicana: Evolução, Diversidad

Read More...

Reflexões Nº7 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº7 – Centro de Estudos Anglicanos

Comunhão e Compaixão - Lambeth

Read More...

Destaque CEA

IEAB…

IEAB

Conheça o site da IEAB - Igreja Epis…

Leia Mais > IEAB…

Calendário de Assessorias e Projetos Diocesanos 2014…

Calendário de Assessorias e Projetos Diocesanos 2014

A seguir publicamos o Calendário de Asse

Leia Mais > Calendário...

Comunhão Anglicana…

Alterações canônicas para a Educação Teológica na IEAB…

Alterações canônicas para a Educação Teológica na IEAB

[+] Acesse aqui as Mudanças Canônicas...…

Leia Mais > Alterações...

Curso em EAD…

Curso em EAD

    Conheça nos Cursos de Formação…

Leia Mais >Curso em...

© 2013-2017 Centro de Estudo Anglicanos - CEA. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento e Hospedagem de Sites

Salvar

Salvar